10 – Desavesso

Paulo Barroso e Arnaldo Afonso
BXPA11400024

era ou num era memória?

era alucinação

ser alguém de outra história

era só ilusão

desvendar o olhar

ver além da visão

desvairar o pensar

dispensar a razão

desprender-me na estrada

ser a estrada sem fim

sendo assim, sem chegada

ir-me embora de mim

despedir-me dos meus

quase desexistir

desarmar-me de Deus

ser mais eu e partir

vida: me diga que enigma me deu

fui autodidata, pirata, plebeu

fui negro, magnata, filósofo, ateu

um astronauta solto no ar

vida: me diga se o estigma valeu

se a noite era dia e o dia era breu

na dor mais doída que a gente sofreu

nos sonhos de quem vive a sonhar?

onde, quem, quando, agora?

beira de tempo algum

ser de dentro pra fora

ninguém é só mais um

deslembrar de onde vim

ser assim outro alguém

pelo avesso de mim

ser eu mesmo também

vida: me diga que enigma me deu

fui monge, sem-teto, arquiteto, pigmeu

fui rei, psicopata, internauta, judeu

um homem-bomba na multidão

vida: me diga se o estigma valeu

se a noite era dia e o dia era breu

se mais nada havia, nem sonho e nem eu

a vida era poesia ou não?

era ou num era memória?

era história ou ficção?

um cavalo de Tróia

dentro do coração

voz e violão – Paulo Barroso

guitarra – Luiz Bró

baixo – Celso Henrique

bateria – Willians Leite

percussão – Manu

flautas – Henrique Amado

sax tenor – Giva Mendonça

cordas Midi – João Bittencourt

sonoplastia – Arquivo Logic Pro 9