08 – É Lua Cheia

Paulo Barroso
BXPA11400022

cachorros latem na minha orelha

é meia-noite, tô na “Cerejeira”

olho pro céu e vejo a lua

nem minguante, nem crescente

é lua cheia, é lua cheia

ando meio (inteiro) angustiado

tô passando dos sessenta

guardo meu passado na memória

navego contra a correnteza

é lua cheia, é lua cheia

(*) rumo pra casa, sem ter rumo pra seguir

levo duas latas de cerveja

tento me lembrar de esquecer o que eu já fui

nos braços da ainda bela companheira

é lua cheia, é lua cheia, é lua cheia

o tempo passa e a gente nem dá conta

e conta que, por dentro, é o mesmo

mas de que adianta este argumento

revelando nossa idade em segredo

é lua cheia, é lua cheia

se eu pudesse, eu desligava o tempo

faria como fez mestre Ataulfo

daria mesmo tudo que eu tivesse

pra voltar aos tempos de estudante

é lua cheia, é lua cheia

(*) … é lua cheia, é lua cheia, é lua cheia!

voz e tecladoPaulo Barroso

guitarrasLuiz Bró

baixoCelso Henrique

bateriaWillians Leite

sax tenorPedro Guimarães

citação: Meus Tempos de Criança – Ataulfo Alves

P.S. – “Cerejeira” – Av. das Cerejeiras – V. Maria – SP