12 – Eu Vi ela na Viela

Paulo Barroso e Arnaldo Afonso
BXPA11400026

eu vi ela na viela da favela

da favela da Marconi

de peruca amarela, a Cinderela

se sentia a Sharon Stone

seus plural revela que ela, analfabela

não formou-se na Sorbonne

mesmo assim armei a teia pra tetéia

o que é do home o bicho num come!

e quando eu dei o bote, no boteco um fuá

e pelo rebuliço, vi que o bicho ia pegar

malandro pós-moderno saca só celular

macaco véio escapa, não fica pra apanhar

botei sebo nas canela e levei ela

da favela da Marconi

pega-pega na banguela da ruela

corre-corre que deu fome

sabe aquela calabresa à mussarela?

espaguete e canelone

eu e ela, ela e eu, cravo e canela

mortadela e provolone

mas tinha um clone de Dom Corleone no bar

e ao sinal do véio veio um ra-ta-ta-tá

o bando todo ritmando bala lá e cá

a minha falsa russa descambou a sambar

é que um tiro pegou nela de trivela

e estourou seu silicone

minha bela estrebuchou na passarela

qual bexiga no ciclone

matusquela pelo amor desta donzela

fui bancar o super-homem

levei bica na costela e até na goela

tô que nem um panetone

o carcamano manda nos meganha de lá

e eu fui condenado a cinco anos de azar

a uva passa, o ferro passa e o tempo a passar

dia a dia, um dia, o dia “D” chegará!

hoje roxo de sequela, nessa cela

sou refém do telefone

quando ligo pra branquela, cadê ela?

quem atende é o tal Capone

não dou trela pras balela e ele apela:

“questo amore é una ilusione!”

mas não tem choro e nem vela, seu banguela!

porque um dia eu levo ela da viela

pra capela mais singela da favela

da favela da Marconi

da favela da Marconi

da favela da Marconi

ou não me chamo mais

Badones!!!

voz e violãoPaulo Barroso

guitarraLuiz Bró

baixoCelso Henrique

bateriaWillians Leite

percussãoManu

flautaGiva Mendonça

saxes alto, tenor e barítono Giva Mendonça

trompeteJoão Vili

tromboneRicardo Bueno

P.S. A favela da Marconi fica na V.Maria – SP

     Badones é um dos apelidos de P. Barroso